O medo no imaginário e o imaginário do medo


Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Luiza Liene Bressan et Reginaldo Osnildo

O medo no imaginário e o imaginário do medo

Revista Memorare, 2017, vol. 4, no 2, p. 209-223.

Resumo: As atitudes imaginativas são uma tentativa de enfrentamento dos semblantes do tempo: o Cronos e a morte, o universo da angústia existencial, e o imaginário, neste sentido, configura-se enquanto potência simbólica. Dentro da multiplicidade de imagens há o medo, elemento que impulsionara a própria atualização simbólica do homo, mas que por sua vez desenvolve um repertório particular de imagens: o imaginário do medo. Tema recorrente em várias discussões, objetos e corpus dos estudos desenvolvidos no Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano, este artigo faz uma discussão teórica entre a presença do medo no imaginário e as imagens que o representam.

Abstract: Imaginative attitudes are an attempt to face the semblants of time: the Cronos and death, the universe of existential anguish, and the imaginary, makes sense, configures itself as a symbolic power. Within the multiplicity of images there is fear, an element that has promoted the symbolic updating of the homo, but which in turn develops a particular repertoire of images: the imaginary of fear. This article presents a theoretical discussion between the presence of fear in the imaginary and the images that represent it. A recurrent theme in several discussions, objects and corpus of the studies developed in the Research Group of the Imaginary and Daily Life.

Télécharger le PDF (810 Ko)

Sourcehttp://portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/memorare_grupep/article/view/5237/3226

Laissez un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *